6.1.09

Era uma vez uma dama que não sabia exatamente o que queria da vida. De tudo era bela, olhos claros e com não-sei-mais-o-que. Fazia sucesso, mas pouco lhe importava, afinal não sabia o que queria da vida. Mas importava aos outros.
Ao caminhar pela rua, os dedos das mãos não bastavam para contar os elogios que ouvia. Eram assobios, manifestações diversas e muitos olhares. Mas nada lhe importava.

Sim, ela tinha seu coração em outro lugar. Não somente nos livros ou nos heróis do cinema mudo. O seu coração residia em um belo rapaz. Bom, belo em seu íntimo, suas amigas o achavam sem graça ou porte. Quando se trata de coração, cada um conhece o seu.

De sua vida, era exatamente o que queria. Ele. Simples como viver, e como queria viver!

A curiosidade os consome; será que o belo rapaz sentia o mesmo?
A curiosidade também a consumia. Houveram declarações, troca de olhares e muito - muito - mais. Em relação ao rapaz, pouco se sabia, pois sua vida não residia em suas mãos.

Para os dois, só o tempo iria dizer. E como esperavam ouvir!

Um comentário:

Clara disse...

ai eu curtii!!! mandou bem no pseudo desabafo!