30.4.09

De que lhe valia a liberdade, se escapava-lhe dos dedos como água?

Espera, eu disse isso certa vez, o que torna tudo mais clichê e vulnerável. O que demonstra que meus argumentos são fracos, não sei sustentar a minha retórica e por consequência não passarei no Vestibular. Certo, tenho que me manter dizendo isso para ver se passa.

A querida Scarllet O' Hara disse que amanha será um novo dia, e eu nem ninguém podemos dizer que não. Enquanto o sol manter seu movimento elíptico (ou será a Terra?) tudo estará bem, e a vida continua. Certo, outra frase redundante, feia e enchedora de espaço e linguiça (já dizia a minha avó - opa, eu já disse isso também).

Eu não posso mais criar, acho que estou reinventando as coisas que eu fiz, ou acho que fiz e colocando para frente. A verdade é que eu não presto, o que eu escrevo é supérfluo e não significa nada para ninguém, nem muito menos para mim. É a massagem do Ego.

hoje certamente não é um bom dia. Francamente meus queridos, eu não dou a mínima!

2 comentários:

Daniel Azevedo disse...

Ja dizia Renato Russo: "O sol nasce pra todos, só não sabe quem não quer".

Reinventar é reciclagem, é o que te mantém você.

Never give up. Life is just too good for that and we doubt of ourselves more than we should.

See ya.

Nani disse...

ei, desabafar também é uma das grandes funções de escrever.