25.2.09

as ondas as ondas as ondas as ondas... o sol iluminará a estrada dela.


Estou no ritmo, ainda no ritmo do peão. Para balançar, porque assim eu fico é mais feliz. Feliz é rodar por ai nas quinas e na calçada, no meio-fio e entre os teus dedos. Os seus dedos, não de outro ou outros que já fizeram o mesmo caminho na palma de minha mão. E na minha nuca, bem ali onde vai afundar meu Yelow Submarine.
É, rodei tanto que me perdi.

E eu choro (quantas vezes!) quando te vejo, logo em seguida no carro à caminho de casa. Como é terrível não saber explicar o como-nem-o-porquê. São as batidas e pestanas do violão. Lindas, mas não sei reproduzir, só meu ouvido reconhece.

Mas ah, nada tema. Agora tudo se vai, todo o tempo irá passar e não restará mais nada. Nem eu, e nem você na Liberdade. Agora sou adulta, como você falou que iria acontecer.

Perdão pela confusão e não conclusão de nada que eu disse-ou-escrevi; estou assim por dentro. Preciso que escolham as coisas por mim, que me mandem passear e mantenham o olho no que eu faço. Sinto que vou fazer tragédia, mais uma tragédia dentre tantas tragédias. Tragédia! Me perdi, me atrapalhei... quero é apagar tudo e fingir que fiz bem.

desculpem o transtorno, estamos em reforma para melhor atende-los.

2 comentários:

spvr disse...

Uhm, um blog nada republicano.
Quem diria, não?

Aliás, eu sou novata nessa bagaça. Ando com um probleminha nos meus posts. Eu coloco enter entre os parágrafos, mas eles não aparecem no blog [o texto fica todo junto, tipo o Saramago escrevendo diálogos].
Uótarréu is going on com o meu blog?!

Rafael Ciancio disse...

"São as batidas e pestanas do violão. Lindas, mas não sei reproduzir, só meu ouvido reconhece."
Meu Deus, quase chorei.
Bem vinda ao clube dos que entenderam alguma coisa, embora ainda não tenhamos descoberto o que entendemos ou deixamos de entender. Definitivamente, bem vinda!
(Ah! E desse grupo não se sai. É aquela história, aprendeu a ler querida, é letrada, não adianta espernear, nunca mais olhará as letrinhas se perguntando o que elas poderiam querer dizer, muito embora ainda estejamos discutindo se é possível direcionar o olhar para a inocência... A princípio não, mas ninguém tem coragem nem vontade de bater esse martelo)
Nossa, como eu falo.
Enfim... Parabéns, ou qualquer coisa!