17.6.09

Se houvesse maneira humana de descrever o que passo, coragem não teria de publicá-la. Ando tropeçando mais do que levanto, os joelhos já não param de sangrar e olhar para frente me recuso. Nem sei por onde começar.

Primeiro, gostaria de pedir desculpas por escrever dessa forma, mas não sei de outro jeito; não é frescura ou arrogância... É falta de opção. Aqui vou.
São outros tempos, em que se mudam as vontades. Gostaria de poder me abster disso, desse mundo que esta acontecendo a minha volta, mas não posso! Se eu fugir, não serei coragem... Mesmo achando que não a sou faz um bom tempo.

Peço desculpas, por estar ausente... por não existir mais. Fato é que eu quero sumir, quero fazer tudo isso passar sem que você precise me ver de novo. Eu quero ganhar o mundo e não deixar as saudades para trás. Por tudo que você significa e significou para mim, não quero fazer isso a nós.
Eu cai na nova realidade, eu finalmente entendi que todos mudaram.. e que eu mudei também. Como te disse aquela vez, às vezes sinto que não pertenço a mais nada. Pode parecer infantil, mas acho que depois de tanto tempo me retraindo, eu resolvi cometer os meus erros agora. Infelizmente não tenho maturidade para consertá-los. Não ainda. Me sinto no meio de um turbilhão de coisas novas mas não posso aproveitar. Travei aqui.

Sinto-me o pó, o lixo.. O cuspido do escarrado. A parte mais suja, de novo. O que mais dói é saber que ‘nada disso era esperado de mim’, que eu mais uma vez decepcionei alguém, que fui aquém às expectativas. Sempre soube que as pessoas me faziam melhor do que eu nunca serei; que esperavam de mim muito mais do que posso dar. É mais ou menos assim que eu me sinto, todos os dias a partir de agora.

Me desculpe mais uma vez, mas eu agora não posso me fazer presente, não posso me fazer inteira para esta causa porque eu não estou inteira para mim. Você entende? Eu estou fazia para mim, o que me ocupa são fórmulas. Vocês nunca saíram daqui de dentro, mas agora não há como fazer muito diferente. Eu me sinto terrível por não poder manejar tudo, queria ser super-poderosa para poder ser e estar para você sempre... mas agora não dá.

Um comentário:

Nani disse...

eu entendo, Cami.

e fica tranquila que um dia acaba, e a sensação de "porra, me libertei daquela merda por meus próprios méritos" é uma das melhores.

conta com as pessoas, que elas entendem sim.