2.2.09

A moça cansou da vida, fugiu de casa e foi juntar-se ao circo.

Como era a alegria debaixo da tenda, onde tudo é entreterimento e não há espaço para o vazio. O seu vazio.

O fato é que apaixonou-se pelo mágico. Virou sua parceira ao iludir o público. Seu coração não podia mais iludir.

De certo era culpa do prórpio mágico, que a encantou naquele certo Domingo, com truques e fantasias que ela permitia-se acreditar. Como era bom.

Desde então, a vida tinha sido farra. Deixar para trás família era difícil; deixar a tristeza era mais ainda. Ela queria arriscar.

A moça é possuidora de coração leviano, não se esquecam! Passa horas a pensar em seu camarim se é-paixão-ou-não-é. Deus, porque a vida estava tão leve?

O que dizer do mágico... é misterioso. Seu olhar inspira confiança, qualquer mocinha cederia aos seus encantos. Ficar ao seu lado, mesmo pelos breves momentos de mágica, lhe valia a semana inteira. Estava ficando é mal acostumada.

Ao som dos aplausos, o mágico sumia, levando junto parte da moça.

E esperava a sua volta., não importava o quanto o mágico demorasse. Seu coração ja o pertencia. A ilusão já tinha sido feita.

Um comentário:

Clara disse...

engraçado.. no tarot, a libélula é a ilusão!